quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Oséias 12, 1-9


Nós temos que aprender a confiar no amor e na justiça. Feliz daquele que conhece o amor, mas, muitas vezes, temos de ser educados na justiça. Deus usa as duas coisas: a disciplina da correção e também a do aperfeiçoamento no amor.



A Palavra de Deus nos diz que, muitas vezes, nos alimentamos de vento e de mentiras; e o maior pecado que afeta a nossa humanidade é o não reconhecimento de Deus Pai.


Não existem duas medidas: ou somos de Deus ou não o somos. Do contrário, entramos numa "roda-viva" e acabamos nos esquecendo do Senhor. É preciso reconhecer que há algo faltando na nossa vida e esse Alguém é Deus. Feliz de quem sente saudade de Deus Pai e vai à procura d'Ele!


Não podemos ser cristãos de "periferia"; devemos estar no "núcleo" do Cristianismo e mostrar isso não para os outros, mas reconhecer para nós mesmos o quanto precisamos do Senhor para não cairmos cada vez mais no pecado.


A disciplina de Deus não é a de um juiz castigador, mas sim, de um pai amoroso, que corrige o filho a fim de aperfeiçoar o seu caráter. O Senhor nos convida hoje a entrarmos na disciplina, porque o mundo está desordenado e ninguém confia em ninguém. E como é difícil encontrar um amigo nos dias de hoje!


O castigo está relacionado à lei; e a disciplina, ao amor. Deus quer abrir as comportas do amor e da misericórdia e de tudo aquilo que Ele quer fazer nas nossas vidas. Nós sabemos o que é sentir saudade. É essa saudade que precisamos reconhecer que nossa alma sente de Deus. É hora de voltarmos para o Senhor, porque a autossuficiência nos afasta d'Ele e nos leva à idolatria.






Wellington Silva Jardim (Eto)


de Oséias 12, 1-9.

sábado, 4 de setembro de 2010

Le Petit Prince - 2


" Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos."

quarta-feira, 1 de setembro de 2010



"Compreendi então
que a vida não é uma sonata que,
para realizar a sua beleza,
tem de ser tocada até o fim.
Dei-me conta, ao contrário,
de que a vida é um álbum de minissonatas.
Cada momento de beleza vivido e amado,
por efêmero que seja,
é uma experíência completa
que está destinada à eternidade.
Um único momento de beleza
e amor justifica a vida inteira."


Rubem Alves